A Campanha Semear é uma iniciativa da FEC – Fundação Fé e Cooperação, em parceria com a Caritas Angola, CIDSE, 4Change e GASTagus, cofinanciada pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua. Esta campanha pretende comprometer os cidadãos com estilos de vida saudáveis e sustentáveis, capazes de promover o Direito Universal a uma Alimentação Adequada, enraizada em modelos de desenvolvimento sustentáveis e justos.

Colocando em diálogo as realidades portuguesa e angolana, pretende-se fazer realçar desigualdades, desequilíbrios e interdependências, ao mesmo tempo que se procuram caminhos alternativos e propostas concretas de redução das disparidades, em benefício da soberania alimentar e do direito à alimentação nos dois países.

Ideia central – Realidades Contrastantes:

  • Portugal – Desperdício de alimentos
  • Angola – Escassez de alimentos em muitas comunidades

O objetivo deste projeto é fazer a ponte entre o Sul e o Norte, ligando de forma igualitária as pessoas e alertando para a as questões da simetria de desperdício, os métodos de produção industrial na Europa e os projetos de agricultura sustentável em Angola, consciencializando para as interdependências, a complexidade, os desafios e desequilíbrios, bem como as mudanças necessárias e a importância do esforço organizado pela mudança social. Vamos juntos!

Para isso, serão postos em relação alguns conceitos:

Segurança Alimentar – existe quando todas as pessoas, em todo momento têm acesso físico e económico a uma alimentação saudável e nutritiva, que corresponde às suas necessidades dietéticas e preferências alimentares para uma vida ativa e de boa saúde (saber mais).

Soberania Alimentar – conjunto de princípios que protege o espaço político dos povos, dos países e dos grupos de países para que determinem eles próprios a sua política agrícola e alimentar e o seu modelo de produção e de consumo (saber mais)

Direito à Alimentação – não trata só do acesso à alimentação mas também do acesso aos recursos produtivos, enfatizando a dignidade, as obrigações dos estados e dando uma atenção especial aos grupos vulneráveis e marginalizados (saber mais).