O conceito de agroecologia já existe desde os primórdios, mantendo-se desde sempre, a intenção de preservar a qualidade do meio ambiente, colhendo alimentos ricos em nutrientes e saudáveis.

Daí, quando se fala em agroecologia facilmente associamos a presença de  certas características como, a proteção dos terrenos e a não utilização de fertilizantes que prejudiquem os alimentos e os terrenos a curto e longo prazo, com o intuito de promover uma ligação até então estreita, entre o Homem e o meio ambiente, associando a prática agrícola com a sustentabilidade/ecologia.

Com a evolução dos tempos, a agricultura sofreu grandes alterações que ainda hoje são visíveis, como por exemplo, a utilização abusiva e desmedida dos terrenos e a aplicação recorrente de adubos, pesticidas e fertilizantes, que acabaram por contribuir para a degradação da fauna e flora.

Nos dias que correm este conceito têm ganho uma certa visibilidade na sociedade de forma positiva, sendo isso aparente através do surgimento de movimentos e associações que defendem a agroecologia.

Exemplo disso, é La Vida Campesina, um movimento internacional que agrega um conjunto diversificado de indivíduos que estão diretamente ligados à prática agrícola. Defende acima de tudo a “agricultura sustentável em pequena escala, como forma de promover a justiça social e dignidade”, contando com “164 organizações locais e nacionais em 73 países na África, Ásia, Europa e América”. Com 22 anos de existência, este movimento foi conquistando um papel bastante significativo junto de organizações como, a “FAO e o Conselho Humano das Nações Unidas”, favorecendo “de um grande reconhecimento entre os outros movimentos sociais local ao global”. Caracteriza-se por ser um movimento “autónomo, pluralista e multicultural”.

La Vida Campesina, nos dias 24 e 25 de fevereiro deste ano, em Mali, realizou o primeiro fórum internacional sobre a agroecologia com orientações para a soberania alimentar. Contou com a presença de diversas “grupos” como agricultores, pescadores, artesãos, ONG e outros movimentos sociais.

No decorrer deste fórum, realçou-se o verdadeiro significado e contributo da agroecologia sendo “essencial para a humanidade, já que ela constrói autonomia e proporciona uma vida melhor para os pequenos produtores de alimentos, produz alimentos saudáveis, fornece uma base forte para a soberania alimentar e permite à população rural viver em harmonia e cuidar da nossa  Terra Mãe.”

 

Referências:

Fórum Internacional sobre a Agroecologia: http://viacampesina.org/es/index.php/temas-principales-mainmenu-27/agricultura-campesina-sostenible-mainmenu-42/2336-la-via-campesina-y-sus-aliados-organizan-el-foro-internacional-de-agroecologia-orientado-a-la-soberania-alimentaria

La Vida Campesina:  http://viacampesina.org/es/

Agroecologia: Uma alternativa sustentável
Tagged on:                 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *